RADICAIS LIVRES: GRANDES INIMIGOS DA PELE

De acordo com as teorias mais modernas, a atuação dos radicais livres parece ser um dos fatores mais importantes para o envelhecimento cutâneo. Além de serem desencadeadores, os Radicais Livres se constituem em um subproduto inevitável da vida diária. Eles são gerados por todas as funções orgânicas, desde a respiração celular,  para a produção de energia, até as funções como circulação, digestão, etc…

Make your own banner at MyBannerMaker.com

Um pouco da história

Os RL são cada vez mais reconhecidos como uma das principais causas do envelhecimento e de doenças degenerativas associadas à idade.

São conhecidos desde 1929 e; em 1950, suspeitou-se que existiam também em organismos vivos.

Em 1954, foram identificados em leveduras e somente 10 anos depois foram encontrados em humanos.

Fontes Fisiológicas de RL:

– As reações de oxidação realizadas pelas mitocôndrias através da fosforilação oxidante, que resultam em energia celular. Cerca 1 % do oxigênio absorvido pelo organismo sofre mudanças e transforma-se em espécies reativas de oxigênio – ROS – que são moléculas instáveis;

– As reações oxidantes de enzimas como Catalase, Superóxido Dismutase  e Glutationa Peroxidase;

– A produção de Ácido Úrico;

– O metabolismo do Ácido Araquidônico, formado pela decomposição das gorduras das membranas celulares sob ação dos RLs.

Fontes Externas de RL:

– A radiação solar (a principal!);

– Os pesticidas e a poluição ambiental;

– A fumaça dos cigarros;

– Certos medicamentos anti-tumorais, etc…

Formação dos RL

Os RL são moléculas que possuem um elétron desemparelhado na sua órbita mais externa, tornando-se por isto muito instáveis e reativos.  Para se reequilibrarem,  buscam se ligar à qualquer molécula que esteja próxima, e delas “roubarem” um elétron adquirindo assim a estabilidade.

De acordo com Dr. Nicholas Perricone  “os radicais livres agem como um indivíduo descontrolado num bar para solteiros, eles se envolvem em relações pouco saudáveis e causam grandes danos aos seus parceiros – outras moléculas e átomos – que de nada desconfiam”.

Envelhecimento:

Resultado da ineficiência das nossas defesas

O Organismo desenvolveu um sistema especial de defesa para combater os RL: a produção dos antioxidantes.

Os antioxidantes previnem os danos provocados pelos RL simplesmente “doando”  a essas moléculas instáveis os elétrons para neutralizá-las.

Após neutralizados,  os RLs se equilibram e deixam de desestabilizar as  moléculas das células.

Dentre os antioxidantes mais poderosos destacam-se as Vitaminas E, C, os Carotenóides, o Ubiquinol (Coenzima Q10), o Ácido Retinóico e os Polifenóis. O próprio organismo produz  naturalmente enzimas responsáveis pela nossa defesa contra a agressão dos radicais livres: GlutationPeroxidase (GPx),a Superóxido Dismutase (SOD) e a Catalase.

A ação da SOD deve estar associada à das catalases e peroxidases para evitar o acúmulo de peróxido de hidrogênio que possui forte poder oxidante , capaz de se decompor no temível radical hidroxila OH,capaz de atacar as estruturas orgânicas mais estáveis.

De acordo com o pesquisador húngaro, Imre Nagy, que dedicou grande parte de sua vida à compreensão do processo de envelhecimento, os RL parecem ser “atraídos”  para áreas com maior densidade de moléculas, justamente pela presença de maior número de elétrons.

Por ser dupla e de natureza fosfolipídica, a membrana celular  torna-se um alvo preferencial para os RLs, que atacam as moléculas dos Ácidos Graxos Livres.

Após este ataque, inicia-se a produção de Ácido Araquidônico, que ao ativar determinadas enzimas como a Fosfolipase A2, provoca uma cascata de reações que danifica as células.  Assim agredida, a membrana celular se desestrutura e a célula morre.

A quebra da homeostasia:

o desequilíbrio do organismo.

Apesar de essenciais à vida, neutralizando as moléculas reativas, as reações das enzimas de  defesa, ocorrem de forma lenta.  Além disto, o organismo tem capacidade de produzir antioxidantes dentro de um limite, e, embora possamos “repor” estes elementos de defesa, se houver uma sobrecarga no nosso sistema antioxidante, pode ocorrer o chamado stress oxidante.

Isto acontece por exemplo quando a pele se expõe de forma excessiva à radiação solar, sem a proteção dos filtros, precipitando o envelhecimento precoce.

Além da agressão à membrana celular os RLs são capazes de ativar os chamadosfatores de transcrição. Os fatores de transcrição são moléculas mensageiras que comunicam ao DNA celular as suas ações essenciais.

Sob a Radiação UV excessiva os RLs gerados ativam estes fatores de transcrição, deslocando-os para o núcleo celular. Ao atingirem o núcleo estas moléculas ativam o DNA, que passa a estimular a produção de diversas substâncias pró inflamatórias, inclusive as enzimas que destroem o colágeno e desencadeiam as rugas.

Anúncios

Sobre Celso Silva

Meu nome é Celso Silva; nasci no Rio de Janeiro, em 24 de fevereiro de 1950. Aos 17 anos ingressei na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, em Campinas, São Paulo, e após 3 anos, fui para a Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, Rio de Janeiro, formando-me em dezembro de 1973. Segui a carreira militar, passando para a reserva como coronel.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s